Polícia fecha festa clandestina e apreende drogas

Dos 100 participantes, 20 eram adolescentes; Festa aconteceu em meio à Decreto que proíbe aglomeração

0
94

Uma festa com cerca de 100 pessoas foi fechada pela Polícia Militar (PM) e pela Guarda Municipal (GM) em Arapongas, no norte do Paraná, na tarde de ontem domingo (19).

Sem respeitar o Decreto Municipal que determina a suspensão de atividades que envolvam aglomeração de pessoas até o dia 24 de abril de 2020, duas amigas promoveram um evento na região da Estrada do Aliança.

Por meio de denúncias, a Prefeitura promoveu uma grande Operação envolvendo equipes da Guarda Municipal, Polícia Militar, Samu, Conselho Tutelar e fiscalização da Secretaria de Saúde.

No local, cerca de 100 pessoas foram vistoriadas e entre elas, as forças de segurança encontraram 20 adolescentes.

Em revista, equipes da GM e PM apreenderam uma pistola 9mm carregada com duas munições; porções de maconha e sete comprimidos de ecstasy, e dinheiro – supostamente arrecadado durante a entrada.

A jovem que assumiu ser a responsável pela festa e uma amiga que contribuiu na divulgação do evento nas redes sociais, foram encaminhadas à 22ª SDP (Subdivisão Policial) da Polícia Civil.

Conforme o secretário de Segurança Pública e Trânsito, Paulo Argati, a dona da festa foi enquadrada no artigo 268 do Código Penal ( Infração de medida sanitária preventiva/descumprimento de decreto: infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. Pena – detenção de um mês a um ano, multa).

“Foram localizadas diversas irregularidades que foram totalmente contra os decretos estabelecidos em meio ao enfreamento da COVID-19. Além disso, apreendemos drogas, munições e armas. Muitos adolescentes também foram localizados e encaminhados pelo Conselho Tutelar. A dona da festa e uma amiga foram encaminhadas à 7ª CIPM para a formulação dos trâmites e depois conduzidas à delegacia. Estamos atentos a todo e qualquer tipo de irregularidade. Na prestação dos serviços e cumprimento da lei”, disse Argati.