Operação Retomada Segura: forças de segurança fiscalizam comércios em Cascavel

0
63

Iniciou na manhã de terça-feira (7), a Operação Retomada Segura em Cascavel. O foco da ação é fiscalizar o comércio para garantir o cumprimento do novo decreto sobre reabertura gradativa de lojas e empresas, além dos cuidados sanitários a serem tomados pelos estabelecimentos e população.

Participam da operação equipes do Exército, Polícia Militar, Guarda Municipal, Defesa Civil e Território Cidadão. As forças de segurança foram divididas em regiões para atuarem em toda a cidade, desde o Centro até nos bairros mais afastados.

O descumprimento do decreto pode acarretar em multa para o empresário. Os critérios exigidos pela prefeitura para a retomada econômica são redobrar os cuidados com a higiene do local, limitar a capacidade de público no interior do estabelecimento, além de disponibilizar conteúdo informativo sobre o novo coronavírus e disponibilizar máscaras para colaboradores e álcool gel para clientes.

Em casos de aglomeração de pessoas, as forças de segurança estão autorizadas a realizar abordagem para orientação do grupo. A Operação Retomada Segura deve se estender até o fim de semana e pode continuar por tempo indeterminado caso não exista colaboração da população.

A prefeitura de Cascavel autorizou a reabertura do comércio de forma gradativa a partir desta terça-feira (7) possibilitando o retorno às atividades de aproximadamente 40 mil trabalhadores.

Lojas e empresas com até nove funcionários voltaram a atender o público após decisão do COE (Centro de Operações de Emergência). O prefeito Leonaldo Paranhos não descartou a possibilidade de um novo decreto que determine o fechamento do comércio por completo. “Se a gente perceber que isso pode levar a algum tipo de prejuízo daquilo que nós já construímos é evidente que vamos retroagir com um novo decreto, é uma experiência de maturidade da nossa população.”

Paranhos garantiu que o objetivo da operação não é aplicar multa em comércios e sim garantir que todos cumpram o que foi determinado no novo decreto.

A população também pode ajudar na fiscalização denunciando irregularidades ao telefone 156 ou diretamente com as forças de segurança por meio do 153 ou 190.