Governador do Paraná não descarta quarentena mais pesada se população deixar de tomar medidas de prevenção contra o coronavírus

Ratinho Júnior pediu que população mantenha o isolamento domiciliar e evite aglomerações para que a velocidade da proliferação do vírus não fique fora do controle.

0
90

O governador Ratinho Júnior disse que se as medidas de prevenção ao novo coronavírus não forem seguidas pelos paranaenses o estado terá que fazer, em algum momento, uma quarentena pesada.

Até o momento o estado tem 621 casos de Covid-19 confirmados e 22 mortes. No entanto, na manhã de ontem, quinta-feira (9), mais dois óbitos foram confirmados pela Prefeitura de Paranaguá.

Para o governador, o decreto estadual que orientou sobre a manutenção de funcionamento de atividades essenciais no estado colabora para evitar um possível colapso na rede de saúde.

O documento não estabeleceu o período que as determinações deverão ser cumpridas.

“Não sabemos quando a pandemia vai acabar. Temos um cronograma de que o número de casos diminui em 90 a 120 dias, que a normalidade volta após quatro meses. Não estamos em um momento de normalidade, temos que reduzir o número de pessoas nas ruas. As pessoas vão continuar adoecendo, mas temos que ter estrutura para cuidar de todos”, enfatizou o governador.

O governador Ratinho Júnior salientou que está conversando com prefeitos, associações de municípios para decidir o que pode e o que não pode ser feito para o combate à disseminação do vírus.

Ratinho Júnior salientou que barricadas impedindo o acesso a cidade não adiantam, pois impedem a entrada de remédios, alimentos e de outros produtos essenciais aos municípios.

Rede de atendimentos de saúde

Governo prepara abertura de três hospitais no interior

O governo estadual afirmou, que o Paraná tem 2.258 leitos de UTIs para adultos distribuídos em hospitais públicos, privados e filantrópicos. Se necessário, esses leitos poderão ser ocupados por pacientes com a doença.

Sete estruturas hospitalares estão em obras e devem ser entregues nas próximas semanas pelo estado. Quatro destas estruturas serão montadas em hospitais universitários estaduais localizados em Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Cascavel.

Em Londrina, a ala que estava sendo preparada para a maternidade será utilizada como hospital de campanha para receber pacientes com Covid-19.

As obras dos hospitais regionais que estão sendo construídos em Ivaiporã, Telêmaco Borba e Guarapuava serão aceleradas. Conforme o governo, os hospitais devem ficar prontos em 30 dias.

Além disto, ainda segundo o governo, a estrutura de saúde contará com mais dez leitos de UTI no Hospital Regional do Norte Pioneiro, em Santo Antônio da Platina, e mais dez leitos também de UTI no hospital Santa Casa de Jacarezinho.

O secretário de Saúde Beto Preto informou que aguarda colaboração do Ministério da Saúde e de compras internacionais realizadas pelo próprio estado para a ampliação de mais 500 leitos.